Blog com notícias de Janaúba e região!

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Prefeito e Vice de Juvenília são cassados pelo TRE

Por unanimidade (seis votos a zero), o TRE-MG, na sessão desta quinta-feira (9), cassou os diplomas do prefeito (candidato à reeleição) e do vice eleitos em 2012 em Juvenília (Norte do Estado), Expedito da Mota Pinheiro (DEM) e Osvaldo Gonçalves da Silva (PMDB), por captação ilícita de sufrágio (art. 41-A da Lei das Eleições). O julgamento, que teve início no dia 2 de maio, continuou nesta quinta-feira, com o voto do juiz Virgílio Barreto, que havia pedido vista e que acompanhou a fundamentação do relator, juiz Maurício Ferreira(foto). Também votou com o relator o juiz Carlos Alberto Simões, mas que divergiu dele apenas com relação aos efeitos da decisão (ele votou pela execução imediata).
Além da cassação do prefeito e do vice, o TRE-MG declarou-os inelegíveis por oito anos e multou-os em mil UFIRs individualmente. As sanções também valem para o suplente de vereador Antônio Fernandes da Silva (DEM). A ação de investigação judicial eleitoral foi apresentado pelo Ministério Público Eleitoral. Como o prefeito obteve, em 2012, 46,66% dos votos válidos na eleição, a legislação estabelece que seja diplomado o segundo colocado (no caso, Rômulo Marinho Carneiro, prefeito, e Luiz Freires Sirqueira,  vice). Mas a execução dessa decisão só virá após o julgamento de eventuais embargos declaratórios.
De acordo com  AIJE (julgada improcedente em primeira instância), o candidato à reeleição Expedito Pinheiro teria proposto ao proprietário da empresa Florêncio Mendes de Araújo Neto, que teria vencido licitação para realizar serviço de limpeza pública em Juvenília (contrato realizado no dia 20/8/2010), prorrogação do serviços em troca de seu voto e de seus sete funcionários, e ainda, a afixação de propaganda eleitoral em suas residências e em carros de sua campanha. O vereador Antônio teria participado da reunião em que houve a proposta e também teria pedido votos.
Leia trecho de como votou o relator, juiz Maurício Ferreira:
“Infere-se que, como é consabido, para caracterização do ilícito eleitoral cognominado como compra de votos, descrito na norma citada, não se exige o pedido expresso de votos, admitindo-se a finalidade de obter votos (dolo específico). Da prova produzida pode-se extrair a subsunção dos fatos ao preceptivo legal citado, revelando-se evidente a promessa de dádivas em troca de votos. A renovação do contrato de limpeza urbana foi condicionada, às vésperas do pleito próximo passado, a apoio político, consubstanciado em pedido expresso de votos. Ademais, condicionou-se a retirada da propaganda do candidato adversário à referida prorrogação do ajuste celebrado entre a prefeitura de Juvenília e a empresa de propriedade de Florêncio Neto. A presença dos envolvidos na precitada reunião resta evidente quando se lê a prova oral produzida, confessada pelo recorrido Expedito da Mota Pinheiro, vulgo “Péu”, que confirmou que a mesma foi realizada, inclusive com a sua presença.”


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: Jornal Montes Claros

Emilly Ferrari foi vista em Montes Claros

Garota de 7 anos pode ter passado por rodoviária da região
Uma denúncia feita à Polícia Civil de Rio Pardo de Minas, no Norte do Estado, pode ajudar a corporação a descobrir o paradeiro de Emilly Ferrari, 7, desaparecida no último sábado. O delegado que está à frente das investigações, Luiz Cláudio Freitas do Nascimento, disse que o denunciante viu um cartaz de procura-se da menina na rua e lembrou que, entre as 21h e as 22h30 do dia do sumiço, viu uma garota com as mesmas características de Emilly na rodoviária de Montes Claros, a cerca de 290 km da cidade. O autor da denúncia, feita anteontem, teve o nome preservado.
Após receber a informação, Nascimento solicitou as filmagens do circuito interno de segurança da rodoviária. Hoje à tarde, ele e a mãe da criança, Tatiany Ferrari, 29, vão assistir às imagens e tentar identificar se Emilly aparece nelas. Ainda conforme Nascimento, se a garota for reconhecida no vídeo, ele vai a Montes Claros efetuar levantamentos e traçar linhas de buscas. 
"Se Emilly for identificada nas filmagens, não podemos desconsiderar que ela pode ter sido levada para outro Estado ou país", disse o delegado. De acordo com o policial, depois da denúncia, a hipótese de que a menina possa ter sido levada para longe volta a ter "forte peso". 
Por isso, a Polícia Civil manteve o pedido feito à Polícia Federal, de intensificação da fiscalização em aeroportos, principalmente em embarques internacionais. 
Nascimento explicou que, se a mãe de Emilly não identificar a garota na gravação, ele vai retornar à hipótese de que a menina esteja na região Norte de Minas. "O fato de a menina estar em uma rua movimentada e ninguém a ter visto andar pela rua ou sair com alguém me faz crer que ela possivelmente não está longe", contou. "Temos que trabalhar com todas as possibilidades e ir eliminando hipóteses com o passar das investigações", concluiu.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

quinta-feira, 9 de maio de 2013

TONINHO ROSA, DESCANSE EM PAZ



Descanse em paz amigo e irmão na Fé.

TJMG decide afastar o juiz Isaías Caldeira Veloso envolvido na operação “Pombo Correio”

Isaías afirmou que não é amigo íntimo do acusado, mas respeita decisão

Amália Goulart - Hoje em Dia

O Tribunal de Justiça mineiro determinou o afastamento do juiz Isaías Caldeira Veloso, da comarca de Montes Claros, do processo envolvendo o ex-vereador da cidade, Athos Mameluque. A medida foi tomada a pedido do Ministério Público, que alegou ser o magistrado amigo pessoal do acusado. A decisão foi tomada na sessão do Tribunal da última terça-feira.
Ao Hoje em Dia, Caldeira disse que irá cumprir a decisão, apesar de não ser “amigo íntimo” do ex-vereador. “Quero dizer que vejo isso com absoluta indiferença e nego que sou amigo íntimo. Só eu posso dizer se sou amigo de alguém”.
O magistrado é conhecido na cidade pelas polêmicas. Além de ser apontado como amigo do ex-vereador, que já foi preso pela Polícia Federal, ele visitou o ex-prefeito de Janaúba, Ivonei Abade, na cadeia. Em 2011, quando a Promotoria em Montes Claros conseguiu a prisão de Ivonei, Caldeira se deslocou ao seu encontro. “Qual o problema? Não sou juiz dele. Esse sim é meu amigo pessoal”, admitiu o juiz.
Abade foi preso durante a operação “Grilo”, em 2011, sob a suspeita de envolvimento em um esquema de grilagem de terras públicas.

Suspeição
No caso da suspeição, o Ministério Público alega que ele é amigo de outro alvo de investigações, o vereador Athos Mameluque, réu em dois processos em Montes Claros.
No primeiro, é acusado de fraudes em serviços de postagens da Câmara Municipal, na chamada operação “Pombo Correio”, desencadeada em 2006. Chegou a ser condenado a devolver recursos ao erário, no ano passado. Mas a ação penal ainda tramita no Judiciário. É na atuação deste processo que a 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça decidiu afastar o juiz Caldeira, julgando procedente, no mérito, a exceção de suspeição.
Mameluque ainda é acusado de participar de esquema criminoso para fraudar a compra de merenda escolar pelo município, na operação “Laranja com Pequi”.
O magistrado é também tio de um dos ex-assessores jurídicos da prefeitura, Fabricius Veloso, que chegou a ter a prisão expedida na operação. No pedido de suspeição, o parentesco é lembrado.
Caldeira alega que tem “divergências processuais” com alguns membros do Ministério Público em Montes Claros, motivo pelo qual pediram sua suspeição.
A reportagem tentou falar com o ex-vereador Athos Mameluque, mas não conseguiu. A esposa dele, Andrea Mameluque, foi informada sobre o assunto e disse que o marido entraria em contato com a reportagem, o que não ocorreu até o fechamento desta edição.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Megaoperação cumpri 43 mandados de prisão no Norte de Minas; 8 foram detidos

Cerca de 100 policiais civis participaram da operação realizada nesta quinta
Sete pessoas foram presas nesta quinta-feira (9) durante uma operação de combate ao crime organizado realizada em várias cidades da região Norte de Minas Gerais. Cerca de 100 policiais das regionais da Polícia Civil de Montes Claros, Januária e Janaúba cumpriram durante a manhã 43 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão.
Em Montes Claros foram presos dois homens acusados de envolvimento em dois homicídios registrados este ano na cidade. Felix Cardoso Fagundes, de 24 anos, conhecido por “Felequinha”, foi preso no bairro Cidade Cristo Rei. Segundo a Polícia Militar, ele é acusado de executar Davy Juares Soares, de 23 anos, no dia 5 de fevereiro, no bairro Vera Cruz.
Sebastião de Jesus, de 27 anos, conhecido por “Tião” é acusado de executar Paulo Adriano Fernandes Santos, de 26 anos, no dia 8 de abril, no bairro São Judas. Tião foi preso em sua casa.
De acordo com o delegado Bruno Rezende da Silveira, que comandou a operação em Montes Claros, o objetivo da polícia é retirar de circulação os criminosos que têm agido na cidade e, assim, reduzir o índice de crimes violentos.
Rezende destaca que três homens que também estão envolvidos em execuções registradas neste ano em Montes Claros estão foragidos. São eles: Alex Barros de Jesus, de 27 anos, conhecido por Buiu; Wenderson Gomes Cavalcanti, de 32 anos, conhecido por Edinho; e Fabrício da Cruz Freitas, de 27 anos, conhecido por Bim. “Qualquer notícia ou informação que contribua para a localização dos foragidos podem ser repassadas às polícias pelo telefone 181. A ligação é gratuita e o anonimato garantido”, disse o delegado.

Bocaiúva

Em Bocaiúva, foram presos Márcio Daniel Souza Nascimento, de 22 anos, conhecido por Pica-Pau, apontado pela polícia como um dos líderes de uma facção criminosa que disputa o monopólio do tráfico de drogas naquela cidade. Ele é apontado como um dos autores de um tiroteio registrado há 15 dias na cidade que resultou em um homicídio e duas tentativas. Com Márcio Daniel foi apreendido um revólver calibre 38 e 10 cartuchos. Também foi preso Romildo Soares de Oliveira, de 29 anos, que estava de "saidão" do Presídio Regional de Montes Claros.

Janaúba e Januária

Dos 43 mandados de prisão, 35 foram cumpridos em Januária, sendo que três pessoas foram presas. Também foram cumpridos seis mandados de busca e apreensão que resultaram na apreensão de um pacote de substância semelhante à maconha. Em Janaúba foram cumpridos 21 mandados de buscas e apreensão que resultou na prisão de uma pessoa e apreensão de seis papelotes de cocaína.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Ex-prefeito de Santa Cruz de Salinas e presidente da Câmara de Vereadores são presos

O ex-prefeito de Santa Cruz de Salinas, no Norte de Minas Gerais, e o presidente da Câmara de Vereadores da cidade foram presos. Os detidos são acusados de fazer parte de um grupo criminoso que atuava em todo o Estado e é alvo de uma operação da Polícia Federal em Montes Claros, também no Norte do Estado. A ação, intitulada de “Novos Caminhos”, foi iniciada na manhã desta quinta-feira (9).
Ao todo, estão sendo cumpridos 16 mandados judiciais. Os documentos são divididos em seis de prisão preventiva, seis de busca e apreensão e quatro de afastamento cautelar das funções públicas dos servidores envolvidos.
As pessoas presas são acusadas dos crimes de formação de quadrilha, fraude em licitações, lavagem de dinheiro e peculato-desvio de verbas públicas destinadas a convênios que têm por objeto a construção de rede água, de esgoto e drenagem no município, prestação de serviços de mão-de-obra para limpeza urbana na sede do município, que consiste na coleta de lixo das residências, capinação e limpeza das vias urbanas e a construção de unidades de saúde rural.
As investigações revelaram que o valor total desviado pelo grupo criminoso é de aproximadamente R$ 400 mil apenas no município de Santa Cruz de Salinas.
Se condenados, os acusados poderão ficar presos por mais de 30 anos.
Os presos serão encaminhados à Delegacia de Polícia Federal de Montes Claros e, posteriormente, serão encaminhados ao Presídio Regional, onde ficarão à disposição da Justiça Estadual de Salinas.

Relembre o caso
No dia 21 de junho de 2012, a Polícia Federal, em conjunto com o Ministério Público de Minas Gerais, deflagrou a operação Máscara  da Sanidade 1, quando 55 mandados de busca e apreensão (16 pessoas físicas e 39 valores, bens móveis e imóveis, e 16 mandados de prisão temporária) foram cumpridos.
Na data, foi divulgado que as investigações tiveram como objetivo apurar a suposta prática de crimes contra a administração pública, formação de quadrilha, falsidade ideológica, lavagem de capitais, dentre outros crimes e ou ilícitos fiscais. Assim, foi constatado que as empresas envolvidas, mediante licitações fraudadas, venceram certames públicos em 36 municípios do Norte de Minas com desvio na execução do objeto e ou emissão de notas fiscais sem a correspondente prestação dos serviços, uma vez que as obras eram executadas com recursos próprios do município.
As apurações apontaram ainda o envolvimento de empresas, pessoas físicas e servidores públicos que atuavam, articuladamente, de modo a fraudar processos licitatórios, direcionando as contratações de obras públicas às empresas integrantes da organização criminosa possibilitando, assim, o êxito em desviar e se apropriar dos recursos públicos.
Além das prisões, também foram cumpridos mandados de busca e apreensão em empresas pertencentes à organização criminosa, além das sedes das prefeituras de Bocaiúva, Bonito de Minas, Brasília de Minas, Campo Azul, Capelinha, Capitão Enéas, Claro dos Poções, Cônego Marinho, Coração de Jesus, Engenheiro Navarro, Francisco Sá, Glaucilândia, Guaraciama, Indaiabira, Itamarandiba, Januária, Joaquim Felício, Josenópolis, Manga, Mato Verde, Olhos D’água, Padre Carvalho, Pai Pedro, Patis, Pedras de Maria da Cruz, Pirapora, Porteirinha, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Santo Antônio do Retiro, São Francisco, São João da Ponte, São João das Missões, Taiobeiras, Ubaí e Varzelândia.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Polícia de Minas aciona PF e Interpol para investigar sumiço de criança de 7 anos em Rio Pardo de Minas


Polícia não descarta tráfico internacional. Emily Ketlen Ferrari, de 7 anos, desapareceu no sábado, enquanto brincava em frente ao portão de sua casa, em Rio Pardo de Minas, Norte do estado.
O delegado Luiz Cláudio Freitas do Nascimento, que apura o desaparecimento de Emily Ketlen Ferrari, de 7 anos, deve pedir à Justiça a quebra do sigilo telefônico de pessoas que estão sendo interrogadas por ele na investigação. Desde domingo, familiares, amigos, professora e pessoas próximas a Emily estão prestando depoimento. A menina desapareceu no sábado, enquanto brincava em frente ao portão de sua casa, em Rio Pardo de Minas, Norte do estado. A polícia não descarta possibilidades como tráfico internacional de crianças, sequestro ou homicídio. “Estamos ouvindo o depoimento de todos os que conviviam diariamente com a criança para determinar a linha de investigação”, disse o policial.
Ontem o delegado solicitou à Justiça que fosse feito comunicado à Polícia Federal e à Interpol, pedindo reforço na fiscalização em portos e aeroportos, principalmente nos embarques internacionais, na tentativa de evitar que a criança seja retirada do país. Também foi enviado ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), ao setor de Registro Tardio de Nascimento, a informação sobre o desaparecimento. A medida visa a evitar que uma nova certidão seja emitida. Também foi encaminhado na tarde de ontem ofício à Delegacia de Pessoas Desaparecidas de Belo Horizonte, pedindo apoio na investigação. O representante da Polícia Civil aguarda autorização da família para que a foto da menina seja divulgada pelo programa de pessoas desaparecidas, Alerta Minas.
“Estamos fazendo buscas na área rural e nos arredores da cidade. Esse é o nosso principal objetivo agora”, afirma Nascimento, dizendo acreditar que até quinta-feira todos os suspeitos já terão prestado depoimento. Uma das linhas de investigação considera que o sumiço possa estar ligado a desavenças familiares, suspeita que foi reforçada por declarações prestadas ontem por um das seis pessoas ouvidas. O pai da menina, Leando Gomes, é separado da mãe, a esteticista Tatiany Ferrari Viana, e mora em Taiobeiras, também no Norte do estado, distante 50 quilômetros de Rio Pardo, onde a criança vive com a mãe. Ele tem autorização para ver a filha periodicamente.
BUSCAS Desde sábado é grande a mobilização dos moradores da cidade de aproximadamente 30 mil habitantes. Segundo Deraldo Viana Costa Júnior, de 21 anos, tio da menina, várias pessoas ficaram até as 4h da manhã buscando pistas de Emily. “Ela conhecia todo mundo. Toda a cidade está chocada.” A mãe de Emily, que é esteticista, disse não ter suspeitas sobre nenhuma pessoa. Segundo ela, no sábado, Emily foi com a avó à igreja e saiu para almoçar com o pai. Quando chegou, por volta das 15h30, ela disse que iria brincar de boneca. “Eu ainda disse para ela esperar um pouco, que eu só iria atender uma cliente e depois ficaria com ela”, contou. “Todo mundo está ajudando e eu tenho a esperança de encontrar a minha filha.”


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Marlei Cevada, a Nina da Praça é Nossa em Janaúba


Nina da “ A PRAÇA É NOSSA”, do SBT, se apresentará em Janaúba

A humorista Nina e o apresentador da “A Praça É Nossa”, Carlos Alberto de Nóbrega
(Por Luiz Cabrini) Uma das principais estrelas do humor brasileiro, Marlei Cevada, a Nina da “A PRA É NOSSA”, a queridinha do apresentador desse programa, Carlos Alberto de Nóbrega, virá à Janaúba, onde se apresentará pela primeira vez. O show de Nina será dia 24 deste mês, às 20h30 minutos no Centro Cultural Marly Sarney. Nina fará show nesta cidade após duas apresentações com casa cheia, quando passaram pelas terras gorutubanas os humoristas, Adamastor Pitaco e Paulinho Gogó, este segundo contratado também do SBT. De acordo com os produtores do show de Nina em Janaúba, Pedro Pinheiro, diretor da Revista Moc Magazine, de Montes Claros, Pablo de Melo, radialista e diretor da PHD Produções e Eventos e o jornalista, Luiz Cabrini, é a primeira vez que Nina vem ao Norte de Minas para um show mais que especial. A humorista da TV de Sílvio Santos, interpreta vários personagens, sendo Nina, o mais famoso deles. Por onde ela se apresenta, segundo sua produção, expressivo público comparece para ver de perto o seu show irreverente e emocionante. 


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Mais uma cidade mineira decreta estado de emergência por causa da seca

Subiu para 90 o número de cidades que decretaram situação de emergência em Minas Gerais por causa da seca. Os dados foram atualizados pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais (Cedec/MG) na manhã desta quarta-feira (8). O novo município que integra a lista é Botumirim, no Norte de Minas.  
Segundo o órgão, todos esses municípios enfrentavam problemas por falta de chuva, excesso de poeira, vento, prejuízo e desolação. A falta de água é tão grave nestas regiões que, pela primeira vez, o racionamento atingiu os centros urbanos, situação que era restrita às zonas rurais. Em todo o ano passado,125 municípios passaram por dificuldades por causa da insuficiência de precipitações. Ao declarar estado de emergência é dispensada a realização de licitação para a aquisição de bens necessários às respostas ao desastre, a prestação de serviços e a execução de obras relacionadas com a reabilitação da região. O prazo para a implementação de medidas nessas condições é de 180 dias não prorrogáveis.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Madrasta é suspeita de desaparecimento de menina em Rio Pardo de Minas

A Polícia Civil de Rio Pardo de Minas, no norte do Estado, continua em busca de informações sobre o paradeiro de Emilly Ferrari, de sete anos, desaparecida desde o último sábado (4). Uma das suspeitas é que a madrasta da menina esteja envolvida diretamente no desaparecimento.
O nome da mulher não foi revelado, e a polícia informa que não descartou nenhuma hipótese. Com isso, também há a possibilidade de que a garota possa ter sido vítima de um sequestro e, até mesmo, de tráfico internacional de crianças. Uma denúncia anônima apontou que Emilly teria sido vista em um ônibus em direção a São Paulo, e linhas clandestinas continuam sendo procuradas pelas rodovias mineiras, mas não há confirmação da informação.
A menina morava com a mãe, a avó e um tio em uma casa na cidade, e havia almoçado com o pai poucas horas antes de desaparecer. Ela também possui um transtorno de deficiência de atenção e, por isso, ainda não consegue ler.
Pela cidade, a família distribui cartazes e até mesmo carros de som ajudam na procura. A mãe está desesperada.

— Eu estou sem chão, não consigo comer, não consigo dormir, só de pensar no que ela está passando, fome, sede.

Agentes da Delegacia de Desaparecidos de Belo Horizonte também devem ajudar na procura na pequena cidade do norte do Estado.



Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Caçadores preparam ‘isca humana’ para atrair Caboclo d’Água

Retrato-falado do Caboclo d'Água feito pela
Acam a partir de relatos de moradores que
dizem ter visto a criatura.
(Foto:Divulgação/ Acam)
Peludo, de dentes, unhas e olhos grandes e apetite voraz. Estas podem ser características de muitos animais. E é assim também como os moradores de Barra Longa, na Zona da Mata mineira, descrevem o Caboclo d’Água. Os relatos de ataque são inúmeros, e muitos ribeirinhos juram ter visto a aparição. Folclore ou realidade, o caboclo se tornou parte do cotidiano dos fazendeiros e pescadores do Ribeirão do Carmo. Há até uma oferta de R$ 1 mil para quem servir de isca para o “bicho” dentro de uma gaiola. O voluntário ficará 24 horas com parte do corpo na água atraindo a atenção do caboclo.  
Jaula que será usada para capturar o caboclo. (Foto: Divulgação/Associação de Caçadores de Assombração de Mariana)
Membros da Associação de Caçadores de Assombração de Mariana (Acam), responsável pela empreitada, dizem que vão ficar a postos para tirar uma foto ou mesmo capturar a criatura. “Tem que encarar com mais seriedade”, afirma Leandro Henrique dos Santos, jornalista integrante da Acam, sobre o convívio dos moradores com o suposto animal.  
Caçadores da associação sobre armadilha. (Foto:
Divulgação/Associação de Caçadores de
Assombração de Mariana)
Não é a única recompensa por um flagrante do Caboclo d’Água. Quem conseguir uma foto e entregar à associação vai receber R$10 mil. O grupo tem ainda uma série de equipamentos para ajudar na captura. É o caso de rádios, câmeras fotográficas, redes e GPS, sem contar armas não letais. Para a nova armadilha, foi desenvolvido um feromônio com objetivo de despertar o olfato do caboclo. A substância é feita com sangue de bezerro. Leandro dos Santos diz que é eficaz. Segundo ele, no primeiro teste “apareceu cachorro de tudo quanto é lado”. O problema é chamar atenção demais: “O medo nosso é aparecer onça”. Situação onde a única alternativa dos caçadores será correr.  
Quem se arriscar a virar isca, também precisa estar atento. Os dois voluntários – disponíveis “por enquanto”, ressaltou Leandro ao contar da desistência de uma terceira pessoa, temerosa de uma falha no plano – vão passar por exames e consulta médica para atestar se têm capacidade de ficar um dia inteiro na beira do ribeirão e enfrentar o caboclo se necessário. A gaiola de metalon foi fabricada em semelhança às armadilhas de pescadores. Na estratégia traçada pela associação, o Caboclo d’Água vai entrar por um buraco no meio da gaiola, na parte coberta por água, e, assim como os peixes, tentará sair pelas laterais, ficando preso. Neste momento, o voluntário precisa sair por outra entrada, acima da cabeça dele; de preferência, rapidamente. 
Mas não vai faltar ajuda. A associação está negociando com a prefeitura da cidade para que uma ambulância fique no local enquanto durar a caçada. E o voluntário assinará um termo de compromisso antes de fazer parte da armadilha.  
A criatura já é conhecida por todos da região devido à ferocidade. Os dentes e unhas grandes podem causar estrago, como explica Mucci Kfouri, açougueiro que diz ter encarado o caboclo mais de uma vez. “O bicho é brutal, é muito sinistro. Ele fura a barriga do animal e come as tripas, dentro da cabeça também. E chupa o sangue, mas deixa a carne”, contou. Há dois anos ele o viu fazendo banquete de um boi. “Não é sempre que ele ataca, mas de dois em dois meses ou uma vez no mês tem algo estranho acontecendo”, disse. 
Um mapeamento dos pontos de ataque feito pela associação mostra que as aparições estão mais frequentes. Leandro dos Santos acredita que parte do represamento do Ribeirão do Carmo é a causa. Mas as histórias de encontros com o Caboclo d’Água são antigas. Há registros de até 60 anos atrás. “A gente cresceu ouvindo falar nisso aí. É uma história antiga de Barra Longa”, disse Milton Brigolini Neme, professor na Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop) e presidente da Acam.  
Há também um retrato-falado para ajudar nas buscas. O desenho foi feito a partir dos relatos dos moradores dizem ter estado diante da fera.

Crença
Animal ou assombração? Esta é outra dúvida dos moradores de Barra Longa. Kfouri acredita no sobrenatural: “É um cruzamento estranho. Na mata, você vê tanta coisa diferente. Pode ser o cruzamento de um homem com outra coisa”.  

Para Santos, o caboclo é um animal ainda desconhecido pelos cientistas. Ele conversa constantemente com um biólogo argentino, conta, e discutem a possibilidade de haver em Minas um espécime pré-histórico.  
Os caçadores às vezes são desacreditados por pessoas “de fora”, que acreditam nas investidas de uma onça. Leandro resolve a dúvida de modo enfático: “Onça não come por dentro da vaca e deixa a parte de fora”.  
Vicente Oliveira, também membro da Acam, que trabalha ainda como chefe de segurança da Ufop, explica que a previsão é programar a armadilha para maio, quando o nível do ribeirão terá diminuído. Os protetores dos animais – ou das assombrações – não devem se preocupar. Como ressalta Kfouri não há intenção de ferir o caboclo. “A gente quer pegar ele, não quer matar”, disse o açougueiro, esperando a oportunidade de reencontrar o velho conhecido.

Folclore
“Cada um vê o caboclo do jeito que quer”, afirma o folclorista Carlos Felipe Horta. O especialista explicou que a figura se modifica ao longo da história e dependendo da região, havendo relatos em todo o Brasil e no exterior. Resumindo, é um ser da água, como as sereias e o boto, mito tradicional entre populações ribeirinhas e de áreas litorâneas. Ele destaca ainda os dois maiores cursos d’água do país, de onde exala esoterismo, os rios Amazonas e São Francisco.  

E é no Norte de Minas, em Januária, que o caboclo se assemelha a um homem negro e alto, com cabeça em formato de cabaça, cuja diversão é assustar pescadores usando uma faca. Ainda no Norte do estado e no Jequitinhonha, ele também é encarado como o próprio diabo em disfarce para “aprontar” com os humanos.  
Mas o caboclo também é uma figura benfazeja para alguns, sempre ajudando na pescaria. Para tal, basta lhe entregar um presente – fumo é o preferido – quando pedido. A recusa termina em um banho de rio.  
Horta ressalta ainda que uma característica predomina: ele é um homem-peixe ou peixe-homem. Afinal, as pessoas deram origem ao Caboclo d’Água. “A criação de personagens é sempre humana. Depende dos nossos temores, das nossas crenças”, diz.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Nina da Praça é Nossa se apresentará em Janaúba


terça-feira, 7 de maio de 2013

Conluio entre Ministério Público e o senador Aécio Neves

(Hoje em Dia) O ex-procurador-geral de Justiça Alceu Torres Marques é acusado de engavetar uma investigação contra a presidente do Serviço Voluntário de Assistência Social (Servas), Andréa Neves, irmã do ex-governador e atual senador Aécio Neves, aberta pelo promotor de Crimes Contra o Patrimônio, João Medeiros.

Favorecimento

O inquérito era para investigar a farra de verbas publicitárias do governo destinadas à Rádio Arco-Íris (São João del-Rei), de propriedade da família Neves.
Segundo o deputado Rogério Correia (PT), a rádio passou a monopolizar as verbas de publicidade após 2003, quando Aécio virou governador.
“Vivemos uma ditadura no Estado. Está todo mundo proibido de investigar as rádios ligadas à família Neves. O procurador-geral sepultou sem explicar a investigação, a Assembleia não responde a nenhum requerimento que envolva as rádios da família Neves”, disse o deputado.

Apuração

A investigação foi motivada por uma Land Rover registrada em nome da emissora que o senador dirigia quando foi parado numa blitz da Lei Seca em 2012. Na ocasião, Aécio se recusou a fazer o teste do bafômetro. De acordo com a Anatel, Andréa é sócia majoritária da emissora. Até 2012, Inês Maria Neves, mãe de Aécio, constava como sócia minoritária. “Temos informações da Anatel de que Inês já passou sua cota para o filho Aécio”, diz Rogério Correia.

Manobra

O procurador avocou o processo meses antes de deixar o cargo. Medeiros recorreu da decisão no Conselho Nacional do Ministério Público – onde está o aliado Jarbas Soares Júnior –, que indeferiu o pedido do promotor.

Sucessão

Antes de deixar o cargo, Alceu não mediu esforços para emplacar o procurador André Mariani Bittencourt como seu sucessor. Nos corredores do MP Estadual, promotores e procuradores acusam Alceu de ter usado a estrutura do órgão e do CNMP para forçar subordinados a votarem em Mariani.

Força

A empreitada de Alceu teria ainda a participação direta do conselheiro do CNMP Jarbas Soares Júnior. Para os procuradores, Alceu não mostrou, no entanto, o mesmo empenho para dar sequência a denúncias relevantes contra personagens renomados de Minas.

Recorrente

Ao chegarem na mesa do procurador-geral para apreciação, a maioria desses processos acabou engavetada. No caso da investigação da Rádio Arco-íris, por exemplo, Alceu argumentou que a denúncia deveria estar sob a guarda do procurador-geral. Não precisa nem dizer que a investigação acabou arquivada pelo ínclito procurador “por ausência de justa causa”.

Revolta

O ato impediu que o caso fosse investigado pela promotoria e causou indignação no promotor João Medeiros, que já havia iniciado suas apurações. Para o promotor, a PGJ fez uma ginástica argumentativa absurda para justificar esse ato de força.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Quebra de sigilo telefônico pode ajudar a encontrar criança desaparecida em Rio Pardo de Minas

Emily Ferrari desapareceu, no último sábado (4),na porta de casa em Rio Pardo de Minas
A quebra do sigilo telefônico de suspeitos do desaparecimento da garota Emily Ketlem Ferrari Campos, em Rio Pardo de Minas, deve ser solicitada à Justiça Mineira nos próximos dias. Três dias após o sumiço da garota de 7 anos, a investigação passou a contar com o apoio da Delegacia de Pessoas Desaparecidas de Belo Horizonte. O acionamento da equipe da capital seria feito nesta terça-feira (7), mas até as 9h40 a delegacia especializada no crime ainda não havia recebido o pedido de apoio. Ainda na tentativa de localizar a menina, a madrasta, as avós materna e paterna e uma professora da criança serão ouvidas nesta terça.
“Todo mundo é suspeito até mesmo os pais, que são separados há três a quatro anos”, afirmou o delegado Luiz Cláudio Freitas do Nascimento. A oitiva dos familiares de Emily estava marcada para começar às 9 horas e terminar ainda na tarde desta terça. O pai e a mãe da criança já foram ouvidos, mas uma das esperanças do delegado é para o depoimento da madrasta e da professora da garota.
“A criança sempre acaba contando alguma coisa para a professora”, disse. O desaparecimento da menina é tratado como crime. Ela sumiu da porta de casa, enquanto brincava, na avenida Padre Eurácio Giraldi, no bairro Cidade Alta, no último sábado (4), por volta das 17 horas.
Emily possui Transtorno de Déficit de Atenção (T.D.H.), mas segundo a escrivã Maurícia Guerra, a menina não tinha hábito de sair sozinha ou algum tipo de conduta que indicasse que ela poderia fugir.
De acordo com a escrivã estão sendo feitas buscas na zona rural e nas cidades da região como Taiobeiras, Montezuma, Vargem Grande, Santo Antônio do Retiro. Uma reunião com o Conselho Tutelar será realizada nesta terça-feira para que sejam montadas estratégias de busca da menina.
Os pais de Emily são separados e no dia do sumiço da criança, o pai dela havia deixado a menina por volta das 15 horas na casa da ex-mulher, segundo a Polícia Civil. Em seguida, o homem teria seguido para a cidade de Taiobeiras, conforme relatou em depoimento à polícia.
“Há algumas contradições nos depoimentos já realizados até agora e por isso estamos apurando tudo”, afirmou o delegado. A Polícia Civil não descarta a possibilidade da criança ter sido vítima de sequestro ou tráfico de pessoas.

Denúncia falsa
Uma grande mobilização foi feita na cidade - de apenas 29 mil habitantes - para tentar localizar Emily. “Tem carro de som passando nas ruas, panfletos, anúncios na rádio. Pedimos até para que os comerciantes abrissem os estabelecimentos para checarmos se ela estava presa em algum deles”, contou a escrivã Maurícia Guerra.
Nas redes sociais, cartazes com os telefones de parentes e amigos da família de Emily Ketlem estão sendo divulgados amplamente. Porém, a Polícia Civil alerta que a boa vontade das pessoas às vezes é usada para atitudes maldosas. “Infelizmente isso saiu do nosso controle e a família desesperada divulgou os próprios telefones. O ideal era que o fosse apenas o da delegacia”, explica a escrivã.
Pessoas mal-intencionadas e golpistas já podem estar se beneficiando da divulgação desses números de telefone. Isso porque, segundo o delegado Luiz Cláudio Freitas do Nascimento, uma denúncia anônima relatou que a garota estava em um ônibus de viagem clandestino a caminho de São Paulo. “Tentamos interceptar o ônibus em Taiobeiras, mas não conseguimos. O veículo foi parado em Salinas, mas só tinha uma criança de colo no ônibus”, contou o delegado.

Tem informações?
A Polícia Civil pede para as pessoas que puderem ajudar nas investigações com informações sobre o paradeiro da criança entre em contato pelo telefone: 0800-2828-197. A ligação é gratuita e não é preciso se identificar.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

segunda-feira, 6 de maio de 2013

Janaúba receberá Olho Vivo

No total serão investidos R$50 milhões até o fim de 2013, incluindo a implantação de novos centros de Prevenção à Criminalidade (CPCs), totalizando 20 municípios beneficiados com a expansão de medidas preventivas para combater a violência no Estado. 
Os municípios que receberão as câmeras pela primeira vez, são: Contagem, Juiz de Fora, Ribeirão das Neves, Betim, Divinópolis, Patos de Minas, Teófilo Otoni, Janaúba, Passos, Paracatu, Unaí, Nova Lima, Ituiutaba, Araguari e Pouso Alegre. Já Uberlândia e Montes Claros terão ampliado o número de câmeras.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Funcionários da Cemig protestam contra demissões

Funcionários da Cemig Serviços protestaram na porta da subestação da empresa em Montes Claros (Foto: Henrique Corrêa/G1)

Franciel recebeu na semana passada o aviso prévio
da sua demissão (Foto: Henrique Corrêa/G1)
Empregados da Cemig Serviços que fazem a medição de consumo de energia entre outros encargos da Companhia Elétrica de Minas Gerais fizeram uma manifestação nesta segunda-feira (6) contra as demissões desta terceirizada.
Em 2010, a Cemig promoveu um concurso público para suprir cargos que eram ocupados por empresas terceirizadas  os novos funcionários fizeram parte da Cemig Serviços. Na nova empresa, os contratados encontraram situações empregatícias diferentes dos outros funcionários da estatal. Desta forma, muitos deixaram seus cargos.
Com a defasagem de profissionais, a companhia elétrica voltou a firmar contratos com outras empresas. Os funcionários que restaram ficaram sem atividades restando a cumprir horário dentro das dependências da empresa. "Ficamos na mesma sala dos outros empregados vendo eles trabalharem", afirma o agente de unidade consumidora Franciel Virginio Santos.
Em 2012, a Cemig Serviços passou a sugerir aos funcionários que permaneceram na empresa a aderir a um plano de demissão incentivada.
Funcionários dos escritórios de Curvelo e Janaúba estão somente cumprindo horário desde outubro de 2012. A mesma medida aconteceu com os funcionários de Montes Claros em fevereiro de 2013.
Na última semana de abril, os funcionários da empresa participaram em Belo Horizonte de uma reunião com os representantes da Cemig e o sindicato da categoria, o Sintappi-MG. Segundo Franciel, foi sugerido a adesão às demissões. Na quinta-feira (2) os avisos prévios das demissões começaram a chegar.
O Sindieletro-MG, que é o representante dos outros funcionários da Cemig, apoiou a manifestação. "Eles estão confinados sem trabalhar desde fevereiro, isso é uma situação de assédio", diz Lúcio Parrela, diretor da regional Norte do Sindieletro-MG.
A assessoria da Cemig disse que a empresa não se pronunciará sobre o assunto.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

AGRICULTORES DE RIO PARDO DE MINAS REIVINDICAM TERRAS DEVOLUTAS

RIO PARDO DE MINAS (Valdivan Veloso / G1) – O conflito de terras entre cooperativas e agricultores familiares de Rio Pardo de Minas  tem gerado muita discussão na cidade de 35 mil habitantes.
Segundo agricultores familiares, cooperativas, que assumiram as terras devolvidas ao estado pela empresa Gerdau, fraudaram documentos para que empresários e funcionários públicos pudessem explorar as terras, o que não é permitido pela constituição.
Os agricultores reivindicam na justiça o direito de cultivar as terras.
O produtor Ademar Teixeira da Silva, de 43 anos, afirma que quando as terras foram devolvidas ao estado, os pequenos produtores chegaram a fazer pequenas plantações, mas houve a “grilagem de terras” por parte das cooperativas.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Menina de 7 anos desaparece em Rio Pardo de Minas

Polícia Civil ainda não tem informações
sobre o paradeiro da criança
Continua a busca pela garotinha Emily Ferrari, de 7 anos, que desapareceu na tarde do último sábado (04) quando brincava na porta de casa, em Rio Pardo de Minas, no Norte do Estado. Segundo a mãe da criança, Tatiany Ferrari, de 29 anos, a última lembrança dela é da filha com um sorriso no rosto, a boneca nas mãos e usando um vestido preto, na porta de casa, na Avenida Padre Horácio Giraldi.
“A família toda está procurando. Ela tinha o hábito de ficar na porta de casa brincando com a bonequinha. Ela não saía sozinha, sempre me avisava que estava na porta brincando. Nenhum vizinho viu ela sair, sei que estou fazendo de tudo para ter minha filha de volta”, disse, com a voz embargada, a mãe da garota.
O prefeito de Rio Pardo de Minas, Jovelino Pinheiro Costa (PP), mobilizou a estrutura logística da administração municipal para apoiar o trabalho policial. "Já mobilizamos toda população, espalhamos fotos de Emily pelas ruas, colocamos carros de som para rodar por toda a cidade chamando por ela", contou a secretária municipal de assistência social, Janaína Gersiane Santos Xavier, 34 anos.
Ainda conforme a secretária, toda a população está chocada e amedrontada com o caso. "Isso nunca aconteceu na cidade. Rio Pardo de Minas é uma cidade pequena, as crianças brincam nas ruas tranquilamente. Mas depois de sábado, as famílias que tem criança pequena estão com medo de deixá-las na rua. Todos estão com medo da Emily ter sido vítima do tráfico internacional de crianças", desabafou.
Segundo a Polícia Civil da cidade, as investigações para se conseguir chegar ao paradeiro de Emily estão sendo realizadas de forma ininterrupta. "Desde sábado, estamos apurando o caso para conseguirmos localizar a garotinha. Infelizmente não podemos divulgar nenhum passo da investigação para não atrapalhar o andamento de nada. O que podemos dizer é que não estamos descartando nenhuma possibilidade", explicou o investigador Eduardo Viana, que está à frente do caso.
Qualquer informação que contribua para a localização da criança pode ser repassada para a polícia civil da cidade pelo telefone 190 ou pelo (38) 3824-1390. As informações também podem ser repassadas diretamente para a família de Emily pelos telefones: (38) 9145-9830 ou (38) 9161-0516.





Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

domingo, 5 de maio de 2013

Em Manga colisão entre dois veículos deixa onze vítimas, três delas fatais


(Por Luis Claudio Guedes) O trecho da BR-135 entre Manga e Montalvânia, no extremo norte de Minas, nem chegou a ser inaugurado oficialmente (porque não foi concluído e não há previsão de quando será), mas já acumula preocupante número de acidentes trágicos, desde que dois dos três subtrechos da estrada foram concluídos, há pouco mais de um ano. Excesso de velocidade no asfalto tinindo de novo, imperícia e até consumo de bebidas alcoólicas combinadas com direção, estão entre as causas da preocupante escalada que eleva o número de mortes para a primeira dezena nesse período.
O último deles aconteceu na madrugada deste domingo, por volta das 3h00, com a colisão entre dois veículos. Informações preliminares dão conta que o número de vítimas chega a onze pessoas, pelo menos três delas morreram no local ou ao serem conduzidas para hospitais da região. Relatos vindos de Manga dão conta que o socorro às vítimas teria demorado a chegar, porque, com o grande número de vitimados, se fez necessária a vinda de ambulâncias do Samu da cidade de Januária  a cerca de 120 quilômetros do local da batida. Algumas das vítimas ficaram presas entre as ferragens à espera do socorro.
As vítimas fatais chegam a três. O menino Lucas Fernandes de Morais e Elismar Neres de Almeida morreram na cena do acidente e Aldineia Oliveira da Silva faleceu ao dar entrada no hospital da Fundação Hospitalar de Apoio ao Homem do Campo, em Manga. O resgate do Samu atendeu ainda aos passageiros Sebastião Fabiano, Wanderley Vieira Lima, Lalide da Mota Ribeiro, Jaqueline da Silva, Laila Patrícia Neves, Patrick Silva Pereira, Jucimara Emanoele da Silva Fatias e Lucileide do Nascimento. Todos feridos.
Segundo informações da Polícia Militar, um Fiat Uno, placas EBK 0738, licenciado em Manga colidiu com o veículo Fox cinza, placas HCL 8989, de Belo Horizonte. De acordo com o o site Nortícias.com, com base em informações da Polícia Rodoviária, os passageiros do Fiat Uno retornavam da Festa da Santa Cruz, realizada neste final de semana na comunidade Brejo São Caetano, a 20 quilômetros de Manga.

Condutor parou no meio da pista...
A provável causa do acidente pode ter sido a imperícia do condutor do Fiat Uno, que teria estacionado na pista de rolamento ao deparar com dois motoqueiros conhecidos parados ao lado da rodovia. O veículo Fox, que trafegava na mesma direção chocou-se violentamente na traseira do Uno, ocupado por sete pessoas no momento da colisão. Um acidente muito parecido aconteceu há menos de um ano na ponte sobre o Rio São Francisco, em Pedras de Maria da Cruz - quando outro condutor também parou o carro em que trafegava no meio da pista. Naquela ocasião o número de mortos chegou a cinco pessoas, uma delas era uma criança.
O Volkswagen Fox transportava quatro passageiros e todos teriam ficados gravemente feridos, dois deles com traumatismo craniano.  Os nomes das vítimas ainda não foram divulgados, mas a rede social Facebook já traz depoimentos de amigos e parentes de pessoas envolvidas na grave ocorrência desta madrugada.
Em dezembro de 2012, uma mulher morreu e outras cinco pessoas ficaram feridas em um acidente na BR-135, próximo a Montalvânia. De acordo com a Polícia Militar, as vítimas estavam em um Kia Sportage, com placa de Goiânia (GO), que capotou no km 17 da rodovia. Há dois meses, outro grave acidente vitimou um casal de namorados também  na BR-135, na saída de Manga para Montalvânia. Segundo informações, o acidente teria sido provocado depois que um motociclista ao tentar desviar de uma carroça que trafegava por aquela artéria chocou-se de frente com uma ambulância do município de Miravânia. Há ainda casos de atropelamentos, como o que tirou a vida de um deficiente mental que atravessava a pista da rodovia federal, ao lado do Bairro Arvoredo, em Manga, também na saída para Montalvânia.

Adolescente tenta defender moça de agressão e é morto em Buritizeiro

Em Buritizeiro, no Norte de Minas Gerais, uma discussão resultou na morte de um adolescente de 16 anos. Segundo informações da Polícia Militar, o adolescente andava na rua com uma mulher, quando dois homens de moto mexeram com ela. A mulher então começou a discutir com os dois suspeitos.
Ainda de acordo com a PM, o garupa da moto desceu do veículo para agredir a moça, foi quando o adolescente entrou na frente do agressor, e acabou levando um tiro no peito, por tentar defender a moça. Os dois homens na moto fugiram. A PM faz buscas.

Jequitaí
E em Jequitaí, na comunidade Barrocão, também no Norte de Minas, um homem de 35 anos morreu depois de levar três tiros, sendo dois deles na nuca, na noite deste sábado (4).
De acordo com a Polícia Militar, a motivação teria sido vingança, pois o autor, há cerca de cinco anos atrás, sofreu uma tentativa de homicídio da vítima. Celso Vicente Soares levou três tiros e morreu no local, um bar na zona rural de Jequitaí. A polícia faz buscas para encontrar o autor do crime.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Norte de MG tem 25% de analfabetos

Para fazer um curso do Senac, é preciso ter uma certa escolaridade, e é aí que o presidente do sistema Fecomércio Minas, Sesc, Senac e sindicatos, Lázaro Gonzaga, tem se deparado com um problema. "Principalmente o pessoal mais carente, que é para onde direcionamos nossa atuação, o analfabetismo é altíssimo", afirma Gonzaga. Então, no Sesc, está acontecendo um trabalho de alfabetização, para que o aluno tenha capacitação para fazer outro curso do Senac. 
"Temos informações do Norte de Minas, onde 25% da população é analfabeta", diz o dirigente. Por isso, o sistema Sesc e Senac se prepara para entrar no Norte do Estado e fazer a capacitação elementar, ou seja, a alfabetização. Isso para que as pessoas tenham condição de receber uma capacitação profissional, num trabalho conjugado entre o Sesc e o Senac.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Sesc e Senac chegam a cidades acima de 50 mil habitantes

Obstinado. Mineiro, de Coromandel, o empresário Lázaro Gonzaga diz que o Sesc tem um débito com o Estado na assistência social
Com um Orçamento anual superior ao da maioria dos 853 municípios mineiros, as unidades fixas do Serviço Social do Comércio (Sesc), com R$ 360 milhões, e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), com R$ 228 milhões, querem estar em todas as cidades acima de 50 mil habitantes de Minas Gerais. Essa é a meta do presidente do sistema Fecomércio Minas, Sesc, Senac e Sindicatos, Lázaro Luiz Gonzaga, 60. As novas unidades estão em estudo. "Eram 300 cidades quando assumi, hoje temos presença em 600 municípios com algum tipo de ação do sistema", informa Lázaro Gonzaga.
Devido ao porte das cidades que não comportam uma unidade fixa, no restante dos municípios, o atendimento é móvel e itinerante, feito com carretas. Do Sesc, são 18 carretas e do Senac são oito, e mais veículos estão em fase de aquisição para o Sesc chegar a 40 e o Senac, a 20 carretas. São 220 mil alunos preparados por ano, e a meta de Lázaro é chegar a 250 mil alunos. 
Outra adequação está sendo feita para evitar a ociosidade. Onde tem uma unidade grande do Sesc, outra unidade do Senac é colocada junto para funcionar, como um sistema. "No Sesc e no Senac, tivemos uma evolução que começou em 2010, quando assumi, e que vai até 2014, onde 66% do atendimento do Senac será gratuito", garante Lázaro Gonzaga. Presidente da Fecomércio Minas, a federação que coordena a ação de 29 sindicatos filiados e 22 conveniados, Lázaro Gonzaga é responsável ainda pela administração do Sesc e do Senac, duas entidades que vivem da contribuição social da folha de emprego das empresas, com o recolhimento de 1,5% e 1%, respectivamente. 
Lázaro Gonzaga conta que elegeu algumas prioridades na mudança da realidade do sistema mineiro que dirige. "As entidades viviam isoladas umas das outras, então provemos a integração de Fecomércio Minas, Sesc, Senac e sindicatos. Cada entidade tem sua especificidade, mas temos as áreas complementares", explica o dirigente. 
A outra decisão foi a internacionalização das ações. "Nós não mandávamos missão internacional e de intercâmbio. Hoje, o pessoal já está na quinta missão para vários lugares como Estados Unidos, Europa e Ásia". A Disney, nos EUA, é referência e qualidade de serviço. "Temos mandado nossas lideranças à Disney para aprender", diz.










Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com