Blog com notícias de Janaúba e região!

sábado, 17 de setembro de 2016

Homens se passam por clientes e assaltam motel em Montes Claros

Dois criminosos se passaram por clientes e assaltaram um motel em Montes Claros, no Norte de Minas, nessa sexta-feira (16). A ocorrência foi registrada no Bairro Esplanada.
Segundo informações da Polícia Militar, eles entraram no local em um veículo e anunciaram o assalto. Os bandidos foram até o escritório do estabelecimento e ameaçaram os funcionários com uma arma.

Em seguida, fugiram levando R$ 500. A polícia realizou buscas e prendeu os homens na manhã deste sábado (17), em Juramento (MG).

Verdelândia
Em Verdelândia, a polícia procura por dois homens que assaltaram um posto de combustíveis nessa sexta-feira (16), no Bairro Janaíba. O frentista disse à PM que os criminosos chegaram armados e anunciaram o assalto. Eles roubaram R$ 1.200 e fugiram de moto sentido a Janaúba.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Presos serram grades e fogem da cadeia pública de Taiobeiras

Dois detentos fugiram da cadeia pública de Taiobeiras, no Norte de Minas, na manhã deste sábado (17). De acordo com a polícia, eles serraram as grades e o cadeado de uma das celas e fugiram pulando o muro dos fundos com a utilização de uma corda.

Os agentes perceberem a fuga durante a troca de turno e acionaram a Polícia Militar. Os outros detentos que estavam na mesma cela foram revistados e remanejados para outro local.

Segundo a PM, os fugitivos têm passagens por furto, receptação e porte ilegal de armas. A polícia realiza buscas, mas até o momento eles não foram localizados.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Candidato a vice renuncia e Ruy Muniz pode ficar fora das eleições

Ruy Muniz (PSB) e Danilo Narciso (PMDB)
durante convenção (Foto: Juliana Gorayeb/G1)

(G1) O candidato à vice-prefeito nas eleições em Montes Claros (MG), pelo PMDB, o médico Danilo Narciso, protocolou nesta sexta-feira (16) junto ao TRE pedido de renúncia. Com o pedido, a chapa encabeçada pelo prefeito afastado, e foragido da Justiça, Ruy Muniz (PSB), fica impossibilitada de concorrer às eleições no dia 2 de outubro, devido ao artigo 13 da Lei Eleitoral, que permitia a substituição de candidatos apenas até o dia 12 deste mês.

No pedido, Danilo Narciso alega que decisões judiciais que impedem que Ruy Muniz exerça funções de administrador público o forçaram na tomada desta decisão.

“Não resta a mim, outra opção, a não ser agir de acordo com os princípios éticos e morais que sempre nortearam a minha conduta como cidadão, dentre os quais, está a firme e inabalável crença na necessidade de não ignorarmos as decisões provenientes das autoridades constituídas pelo conjunto de normas e leis que regem o Estado Democrático e de Direito que se encontra em processo de consolidação em nosso país”, disse Narciso no pedido.

A decisão de renunciar, de acordo com o PMDB, foi pessoal de Danilo Narciso, mas a “executiva do partido ainda vai se reunir para decidir o prosseguimento desta campanha, diante destes novos fatos, considerados graves pelo partido”.

De acordo com o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MG) "após a renúncia ser homologada pelo juiz eleitoral, e como o prazo de substituição já se encerrou no dia 12, a tendência é que a candidatura seja indeferida pela Justiça Eleitoral local". O G1 tentou falar com o juiz Antônio Rosa, responsável pelo julgamento do caso, mas ele não foi encontrado.

A assessoria da campanha de Ruy Muniz não quis se pronunciar.

Muniz foragido
O prefeito afastado de Montes Claros, Ruy Muniz, está foragido desde a quarta-feira (14). O Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) expediu mandado de prisão preventiva contra Muniz, após a operação Tolerância Zero apontá-lo como o controlador de um esquema montado para desviar recursos da Empresa Municipal de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb).

Muniz, que é candidato à reeleição, foi elogiado pela esposa durante a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Na ocasião, Raquel Muniz destacou a gestão do marido ao proferir o voto. "Meu voto é em homenagem às vítimas da BR-­251. É para dizer que o Brasil tem jeito, e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão".

Motorista de carreta morre durante colisão com dois veículos na BR-251

Carreta colidiu com outros dois veículos próximo a Francisco Sá

Um acidente próximo a Francisco Sá, na BR-251, deixou três pessoas feridas e um motorista morto na tarde desta quinta-feira (15). Duas carretas e um carro do sistema prisional, da Penitenciária de Francisco Sá, colidiram no km 480 da rodovia. O condutor de uma das carretas não resistiu aos ferimentos. Os outros envolvidos foram conduzidos ao Hospital de Francisco Sá.

A Secretaria de Administração Prisional (Seap) informou, por meio de nota, que uma carreta colidiu com a traseira do carro do sistema prisional, que saiu da pista. Estavam no veículo, em direção a Montes Claros, o diretor-geral, o diretor de segurança e um agente da Penitenciária de Francisco Sá. Sem ferimentos graves, eles foram atendidos no Hospital Municipal de Francisco Sá e passam bem.

Segundo informações da Polícia Rodoviária Federal, até o início da noite desta quinta-feira a estrada seguia interditada parcialmente, em sentido crescente. A PRF informou que desvios por dentro da cidade estão sendo coordenados pelos policiais. O corpo da vítima foi recolhido por uma funerária.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

São João da Ponte: Polícia apreende 76 pássaros criados em cativeiro

Pássaros foram encontrados em quintal de uma casa em São João da Ponte

Várias espécies de pássaros silvestres foram encontradas pela Polícia Ambiental em São João da Ponte, na tarde desta quinta-feira (15). Um homem de 51 anos, responsável pelo cativeiro que era mantido na casa dele, foi preso. De acordo com os policiais, as quase 80 aves eram criadas em um viveiro, que ficava no quintal da casa do homem.

Entre os 76 animais, 73 eram da espécie canários da terra. Também eram criados no quintal, em outras gaiolas, um pássaro papa-capim e dois pássaros pretos. Segundo informações da Polícia Ambiental, os pássaros devem ser analisados por profissionais e devolvidos à natureza. As aves, gaiolas e o autor foram encaminhados à delegacia de Varzelândia.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: PM e G1

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Após operação Tolerância Zero, Ruy Muniz é considerado foragido

(G1) Uma organização criminosa que tinha como foco desviar recursos da Empresa de Serviços, Obras e Urbanização (Esurb), subordinada à Prefeitura de Montes Claros (MG), foi alvo da operação Tolerância Zero, que começou a ser realizada nesta quarta-feira (14) e ainda está em andamento nesta quinta (15). Segundo as investigações, o esquema era controlado pelo prefeito afastado Ruy Muniz (PSB) e tinha ainda a participação de funcionários e familiares dele, além de servidores públicos e empresários.

As investigações foram feitas pela Polícia Civil e Ministério Público de Minas Gerais. Já foram presos o secretário municipal de Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente e Agricultura, Leonardo Andrade, e o presidente da Esurb, Cristiano Dias Júnior. Estão foragidos o prefeito afastado e o filho dele, Ruy Gabriel Muniz.


Muniz, que é candidato à reeleição, foi elogiado pela esposa durante a votação do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT). Na ocasião, Raquel Muniz destacou a gestão do marido ao proferir o voto. "Meu voto é em homenagem às vítimas da BR-­251. É para dizer que o Brasil tem jeito, e o prefeito de Montes Claros mostra isso para todos nós com sua gestão".

Em nota, a assessoria de comunicação afirmou que a defesa das famílias solicitou vistas ao processo, do qual ainda não teve acesso. Ainda segundo a nota, no tempo certo os fatos serão devidamente esclarecidos.

Sobre o esquema
Segundo as investigações, a Esurb foi escolhida pelo grupo devido ao orçamento milionário que dispõe. Os recursos desviados eram, em tese, usados para a compra de combustíveis no Autoposto Amanda e Júlia LTDA, que também é alvo da investigação. O G1 ligou no telefone do posto, mas ninguém atendeu.

Para possibilitar a existência do esquema, o prefeito nomeou Leonardo Andrade e Cristiano Júnior, pessoas da confiança dele, para cargos estratégicos na administração municipal. Ambos são apontados como “laranjas”, de Muniz, figurando como sócios do conglomerado empresarial dirigido de forma oculta pelo gestor afastado.

Durante as investigações foi identificado que a frota de veículos da Esurb registrou um aumento considerável no consumo de combustível. Em janeiro de 2013, quando Muniz assumiu, a frota não chegava a consumir 15 mil litros; em fevereiro de 2014, o gasto ultrapassava 25 mil litros.

Além deste aspecto, em 22 de maio de 2013, o prefeito editou o Decreto nº 3.027/2013, que autorizava a Esurb a realizar a subcontratação de outras empresas para executar obras públicas, permitindo assim, de acordo com as investigações, a participação de empresários ligados ao esquema criminoso.

Para apenas dois empresários foram pagos R$ 7,5 milhões, que seriam referentes à locação de máquinas. Eles ainda foram beneficiados por outra irregularidade, a Esurb passou a assumir ilegalmente parte dos gastos com combustíveis e lubrificação dessas empresas.

Foi verificado também que antes da contratação das empresas ser efetivada, elas já tinham acesso ao fornecimento antecipado de combustível, que custou R$ 600 mil aos cofres públicos. Apenas em favor de uma delas foram gastos R$ 230 mil.

Três formas de cometer irregularidades foram verificadas na apuração: venda de combustível acima do real volume comercializado; cancelamento fraudulento do cupom fiscal e uso posterior para justificar aquisição inexistente de combustível; e simulação de despesa de emissão de registros de abastecimento pendentes realizados por terceiros em nome do órgão público.

O MPMG cita como exemplos abastecimentos feitos, que eram cancelados e constavam como pendentes. Posteriormente, os valores das notas eram destinados aos gastos da Prefeitura.

Lavagem de dinheiro
A partir das provas colhidas, a investigação aponta ainda que o Autoposto e o prefeito afastado agiam em comum acordo para usar o contrato estabelecido entre a empresa e o município, com os objetivos de desvio e lavagem de dinheiro público.

Durante o cumprimento dos mandados da operação Catagênese, realizada em março de 2015, foram apreendidos na sede do posto de combustíveis um contrato de compra e venda, datado de 22 de novembro de 2013, e contrato de confissão e parcelamento de dívida com garantia de avalistas, de 26 de setembro de 2013. Ainda havia uma nota promissória de R$ 1,5 milhão. Os documentos estavam trancados na gaveta do administrador do posto em um envelope com o timbre da Prefeitura Municipal de Montes Claros.

Segundo as investigações, o contrato de compra e venda, no valor de R$ 2 milhões, refere-se a um imóvel de 712m² situado em um terreno de 1.020 m², no Bairro Ibituruna, pertencente a mãe do dono do posto. Consta como comprador Ruy Gabriel Muniz, filho de Ruy Muniz. O prefeito afastado e a mulher dele, deputada federal Raquel Muniz (PSD), figuram como avalistas. Essa é a atual residência da família de Muniz.

O documento prevê ainda sinal de R$ 1 milhão, a ser pago em setembro de 2013, por depósito bancário. E determina ainda que o restante seja quitado em 36 parcelas de R$ 27 mil, a serem depositadas a partir de 22 de dezembro de 2013 com término no mesmo mês de 2016. Uma das cláusulas atribui ao comprador a responsabilidade pelo pagamento do Imposto sobre Transmissão de Bens e Imóveis (ITBI).

O pagamento exigido, em dinheiro, é uma forma de “lavar dinheiro” e uma estratégia para dificultar a ação dos órgãos de investigação.

Já no outro contrato, Ruy Muniz e Raquel Muniz aparecem como avalistas do filho, Ruy Gabriel, em uma dívida de R$ 1,5 milhão, da qual não consta detalhamento. Por meio desse contrato, o devedor e os avalistas se comprometem a pagar R$ 1,5 milhão em 22 de novembro de 2016 em favor do empresário; mesma data em que vence a penúltima prestação do contrato de compra e venda. Uma das testemunhas que consta no documento é Leonardo Andrade.

Ainda conforme as investigações, a nota promissória encontrada está assinada com Ruy Gabriel Muniz e o pai Ruy Muniz.

De acordo com as investigações, o real valor pago por Muniz pela casa, de R$ 3,5 milhões, foi superior ao estabelecido no contrato de compra de venda, de R$ 2 milhões. A diferença entre os valores seria uma tentativa de ocultar a origem dos recursos usados na negociação, reduzir a base de cálculo do TBI e sonegar os impostos incidentes sobre a transação milionária.

Prisões
As prisões foram determinadas pela desembargadora Márcia Milanez com os argumentos de que são fundamentais para a ordem pública, para a preservação da instrução criminal e para a garantia da aplicação da lei penal.

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

NOME SUJO: Prefeitura de Manga-MG com nome no SPC/Serasa


(Por Fábio Oliva) Além do calote milionário que deu no Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, ao deixar de repassar, em alguns casos por mais de dois anos, as contribuições descontadas das folhas de pagamento dos servidores públicos municipais, o que pode comprometer o pagamento de aposentadorias e demais benefícios, a Prefeitura de Manga está com o nome sujo no Serviço de Proteção ao Crédito – SPC e na Serasa.

No dia 21 de janeiro de 2016, em São Paulo-SP, a empresa de telefonia fixa Oi negativou o nome da Prefeitura de Manga no SPC pela falta de pagamento de uma conta no valor de R$ 152,53. Em março, a Prefeitura de Manga voltou a ter o nome negativado no SPC. Desta vez em Belo Horizonte-MG, pela empresa Central de Artigos para Laboratórios Ltda – Centerlab. A negativação feita pela Centerlab aconteceu no dia 10 de março de 2016, pela falta de pagamento de um título no valor de R$ 54,00, vencido em 15 de dezembro de 2015.

Mesmo tendo recebido avisos de que o seu nome seria negativado no SPC caso não pagasse os dois títulos, que juntos somam apenas R$ 206,53, a Prefeitura de Manga não quitou os débitos.

SPC - SERASA
A Serasa Experian e o Serviço de Proteção ao Crédito - SPC são empresas que registram informações sobre pessoas físicas e jurídicas, como nome e CPF, CNPJ, endereço, além de outros dados como dívidas atrasadas, cheques protestados e cheques roubados. Apesar de terem algumas diferenças, a intenção delas é a mesma: fornecer informações para empresas e bancos para dar mais segurança quando vendem a prazo, emprestam dinheiro ou fazem financiamentos.

Funcionam assim: Quando o devedor deixa de pagar uma dívida, o banco ou a empresa envia essa informação para a Serasa e SPC Brasil de que a pessoa física ou jurídica está inadimplente, ou seja, que está negativado. E essa informação fica disponível para qualquer empresa que contratar o serviço de informações da Serasa ou SPC.
Quem não paga a dívida fica com o nome na Serasa, SPC, ou SCPC por cinco anos a partir da data da negativação. Isso se a dívida não for paga antes. Depois de cinco anos, tanto a Serasa, quanto SPC e SCPC são obrigadas a tirar essa informação do cadastro e a pessoa física ou jurídica pode continuar negativado apenas se contraiu novas dívidas.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Eleições 2016: Campanha de Juracy Freire em Porteirinha mobiliza multidões

Reunião no Bom Jesus no último sábado (10).

Atualmente a nação brasileira tem vivido um verdadeiro “esfriamento político”, motivado pelas decepções e agruras experimentadas nesta arte que na teoria seria para ajudar a todos. Outro fator que colaborou fortemente para a timidez do público nos chamados comícios, ou reuniões, tem sido o aumento do rigor da lei eleitoral, que reduziu o tempo de campanha de 90 para 45 dias, entre outras mudanças, sem falar na maior fiscalização dos esbanjamentos e compra de voto. A junção destes e outros fatores têm contribuído para a desmotivação e desinteresse em relação à politica.

Como toda regra tem sua exceção, a cidade de Porteirinha fugiu a regra. E essa diferenciação da tendência nacional é encabeçada pela campanha do candidato Juracy Freire tem causado admiração e espanto. As multidões que em busca de esperança vão maciçamente a todas as reuniões, que têm tomado dimensões de grandes shows. Na última reunião realizada na comunidade de Bom Jesus, por exemplo, a praça e ruas quase não couberam à multidão que gritava em coro o nome de seu candidato. Cidades vizinhas como Janaúba, não tem conseguido ajuntar sequer 100 pessoas em suas reuniões políticas, enquanto Porteirinha com a campanha de Juracy Freire tem aglomerado mais de 4500 pessoas por encontro.

A lição que fica para outras cidades é que mesmo não estando animados ou motivados com a política, esta arte de ajudar é fundamental para a vida, e querendo ou não fará sempre parte do nosso cotidiano. O melhor mesmo é participar e contribuir com presença, cobranças e ideias.



Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Incêndio atinge pátio de veículos em Várzea da Palma

Quinze mil litros de água forma usados no controle das chamas

Um incêndio atingiu um pátio de veículos em Várzea da Palma, no Norte de Minas, nesse domingo (11). O estabelecimento fica no Centro da cidade. Segundo as informações do Corpo de Bombeiros, mais de 90 veículos foram atingidos pelas chamas, além de 30 carcaças de motocicletas.

Ainda de acordo com a Corporação, o trabalho de combate durou três horas e 15 mil litros de água foram usados para controlar o fogo. Caminhões-pipa de uma empresa e da Prefeitura também foram disponibilizados.

Testemunhas disseram que viram duas pessoas no pátio e logo em seguida o fogo começou. A Polícia Militar acompanhou a ocorrência, mas nenhum suspeito foi preso. A perícia da Polícia Civil também foi chamada e esteve no local.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: InterTV

Norte-mineira Cármen Lúcia assume presidência do STF


A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia será empossada hoje (12/09/2016) no cargo de presidente da Corte pelos próximos dois anos. Ela substituirá o ministro Ricardo Lewandowski, cujo mandato terminou. A cerimônia está marcada para as 15h. Cerca de 2 mil pessoas foram convidadas, entre elas o presidente Michel Temer, os presidentes da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e do Senado, Renan Calheiros, além de outras autoridades. Na abertura, o cantor Caetano Veloso vai cantar o Hino Nacional.

Na cerimônia, a ministra quebrará o protocolo do Supremo e não haverá a tradicional festa de recepção aos convidados, bancada por associações de magistrados em todas as posses de ministros da Corte. Na semana passada, ao participar da última sessão na Segunda Turma, ela disse que não gosta de festa, mas de processo.

Cármen Lúcia Antunes Rocha tem 62 anos, foi indicada para o Supremo pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e tomou posse em 2006. A ministra nasceu em Montes Claros, foi criada em Espinosa (na mesma região) e formou-se em direito pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC), em 1977. Ela será a segunda mulher a assumir o cargo. A primeira foi a ex-ministra Ellen Gracie.

No seu dia a dia na Corte, Cármen Lúcia mantém hábitos simples, como ir trabalhar em seu próprio carro. Ela é a única integrante do colegiado que não utiliza carro oficial com motorista. A ministra é solteira, não tem filhos e mora em um apartamento funcional do STF, em Brasília.
Em 2007, ela também quebrou a tradição na Corte e foi à sessão usando calça comprida. Antes disso, uma regra interna determinava que mulheres só poderiam entrar no plenário usando saia.

Antes mesmo de assumir a cadeira de Lewandowski, Cármen Lúcia deixou claro, durante sessão recente, que prefere ser chamada de presidente e não de presidenta. “Eu fui estudante e sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não é não?”, afirmou, no mês passado.

Atuação no STF
No Supremo, a atuação da ministra pode ser resumida pelo rigor em casos envolvendo corrupção, pela postura firme a favor dos direitos das mulheres e o trato com a “coisa pública”. Em viagens oficiais, ela opta por não receber diárias, apesar de ter direito.

Sem perfil corporativista, Cármen Lúcia, quando esteve na presidência do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2012, determinou a divulgação de seu contracheque, quando o STF discutia a validade da Lei de Acesso à Informação. Ela também proferiu decisões sobre casos de nepotismo e liminares que derrubaram pagamento de aumento a servidores públicos.

A ministra se declarou impedida para julgar a ação que pede o pagamento da correção de planos econômicos da década de 1990, porque o pai dela entrou na Justiça e seria beneficiado pela decisão do STF.

Entre os advogados que militam no Supremo, Cármen Lúcia é elogiada. Os profissionais afirmam nos bastidores que ela é sempre simpática e cordial e está bem informada sobre os processos. Recentemente, a ministra passou a fazer audiências por meio de videoconferência, evitando o deslocamento dos profissionais a Brasília.

Julgamentos
Em dez anos no Supremo, Cármen Lúcia foi relatora de importantes processos julgados pelo plenário, como a ação penal do ex-deputado federal Natan Donadon, primeiro parlamentar preso por sentença condenatória, e da ação que pretendia barrar autorização prévia para publicação de biografias não autorizadas.

A ministra também fez discursos duros contra a corrupção em processos envolvendo a Operação Lava Jato. Em novembro do ano passado, ao participar do julgamento que referendou a prisão do ex-senador Delcídio do Amaral, ela disse que “o crime não vencerá a Justiça e que os “criminosos não passarão”.

Na decisão em que a Corte autorizou a publicação de biografias não autorizadas, Cármen Lúcia disse repetidamente o dito popular: “Cala a boca já morreu”.

Com a ida da ministra para a presidência, Ricardo Lewandowski herdará os processos que estão no gabinete, entre eles as investigações da Operação Zelotes e a divisão dos royalties do petróleo.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Preso em operação, ex-prefeito de Januária está foragido, afirma PF

Maurílio Arruda seria levado à delegacia da PF

O ex-prefeito de Januária (MG), Maurílio Arruda, alvo de um dos cinco mandados de prisão da operação Rua da Amargura, foi considerado foragido pela Polícia Federal na noite desta segunda-feira (12).

Segundo as primeiras informações, ele estava à caminho da delegacia da PF em Montes Claros, após ser preso no fim da manhã em Januária, quando conseguiu a fuga.

O advogado de defesa de Maurílio Arruda, Antônio Adenilson Rodrigues Veloso, destacou que ouviu do delegado Thiago Amorim, enquanto esperava a chegada do seu cliente à delegacia, que o ex-prefeito conseguiu sair do carro e pulou em uma motocicleta, que esperava por ele em cruzamento.

"Eu não acredito nisso, pois não havia necessidade da fuga. Todos os processos temos embasamento suficiente para fazer a defesa", afirma Antônio Adenilson, que confirmou ainda que vai entrar com o pedido habeas corpus nesta terça-feira (13).

A Polícia Federal não confirmou a versão e disse que irá se pronunciar somente na manhã desta terça-feira.

Entenda o caso

A operação Rua da Amargura, deflagrada na manhã desta segunda-feira, investiga a aplicação de mais de R$ 1 milhão em obras de pavimentação e drenagem de ruas e visa o combate ao desvio de recursos públicos. Foram expedidos pela Justiça cinco mandados de busca e apreensão e cinco de prisão. Três ex-servidores da Prefeitura de Januária (MG) já foram detidos, além do ex-prefeito Maurílio Arruda, agora foragido; um ex-secretário de Educação também segue foragido.

De acordo com as investigações, laudos de engenharia atestaram a inexecução total de diversas obras de pavimentação, pagas com dinheiro público do município.Os envolvidos fraudavam processos licitatórios, direcionavam a contratação de obras, como pavimentação e drenagem de ruas, para uma empresa que também fazia parte do esquema criminoso.

O empresário, que firmou acordo de cooperação premiada com a PF e o MPMG, contou que grande parte dos recursos destinados às obras era desviados pelo grupo criminoso.

Acordo de colaboração
As investigações começaram em 2014, como um desdobramento da operação Sertão Veredas, realizada em maio de 2013, em MG, BA e ES. O foco era uma organização que atuava nos municípios de Januária e Itacarambi (MG) desviando recursos públicos de obras em diversas áreas. Na época, o prejuízo estimado era de R$ 5 milhões.

O acordo de colaboração feito com o empresário investigado no esquema criminoso ajudou a PF a identificar o grupo preso na operação Rua da Amargura. Maurílio Arruda ainda foi alvo das operações Esopo, deflagrada em setembro de 2013, e Exterminadores do Futuro, que ocorreu em junho de 2014; ambas voltadas para o combate de desvios de verbas públicas e fraudes em licitação.



Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: PF e InterTV

domingo, 11 de setembro de 2016

Homem morre em acidente, após bater carro contra árvore na MG-401

Carro saiu da pista e acertou uma árvore

Um homem de 64 anos morreu no início da tarde deste sábado (10), após colidir contra uma árvore, no km 133 da rodovia MG-401, estrada que liga Janaúba e Jaíba. As causas do acidente ainda serão apuradas pela perícia da polícia, mas o Corpo de Bombeiros, que prestou atendimento no local, suspeita que a vítima tenha passado mal, perdido o controle da direção e saído da pista, colidindo contra a árvore.

Familiares estiveram no local e afirmaram que o homem sofria com problemas de pressão. Ainda segundo os familiares, ele prestava serviços como taxista, fazendo viagens entre as cidades, sendo comum o passagem pelo trecho onde ocorreu o acidente. Neste sábado, a vítima voltava de Jaíba, após deixar um passageiro.

Os bombeiros foram acionados por populares que passavam pelo local e viram o acidente. Quando os militares chegaram, encontraram o homem já sem vida. Com a força do impacto, a estrutura do carro ficou completamente amassada. Os bombeiros precisaram usar equipamentos para cortar a ferragem e retirar o corpo da vítima, que foi entregue à funerária.


Pablo de Melo
pablo-labs@hotmail.com

Fonte: PM e InterTV